A homenagem do povo santanense ao jumento que virou monumento

Por em 18 de Junho de 2018

Depois de séculos de serviços prestados nos sertões nordestinos, o jumento recebeu sua primeira homenagem: um monumento em praça pública na entrada da cidade de Santana do Ipanema, em Alagoas.

A honraria teve apoio de muitos e as restrições de alguns. Inteligente, o jumento não pula obstáculos, contorna-os. O cavalo pula porque é burro, frase retirada do livro “Ribeira do São Francisco” de Manoel Cavalcante Proença, edição de 1944.

O Jumento é uma figura quase lendária na vida do sertão, o animal conquistou baião de louvor e monumento em praça pública, na entrada da cidade de Santana do Ipanema alto Sertão de Alagoas.

As estatuas do Jegue e da figura do Tangedor que representa o homem sertanejo que tangia no período de seca o jumento no transporte de água, o líquido que matava a sede era retirado do Rio Ipanema quando não era poluído e levado no lombo do animal em ancoretas para as residências em toda a cidade.

Construído e inaugurado na segunda gestão do então prefeito Adeildo Nepomuceno Marques, coincidiu com a chegada da água encanada do Rio São Francisco  na cidade em 1966. Segundo registros, o monumento, todo em cimento armado, custou aos cofres públicos CR$ 6.200,99. É composto do jumento, cangalha, ancoretas arreios e tangedor.

O homem homenageado com a estátua tangendo o animal ficou conhecido como “Candinho”, que segundo informações foi o mais ágil e prestativo “botador de água” da cidade.

Mas essa homenagem ao animal custou muitas dores de cabeça ao Prefeito Adeildo Nepomuceno Marques, pela terceira vez, que enfrentou, no seu segundo mandato, até ameaças de cassação, por parte dos vereadores oposicionistas, e críticas da elite social local, que preferia, no lugar do jegue, um filho da terra.

Dizia o Prefeito Adeildo que o seu amor aos jumentos tinha seguidores também fora da poesia. Ao inaugurar os serviços de abastecimento d’água, a cidade de Paulo Afonso, Goiás, aposentou 80 jericos que até então transportavam água para a comunidade.

E em Poço das Trincheiras, houve um acontecimento inédito: houve uma passeata de uma centena de jegues em solidariedade ao prefeito de Santana. Tangedores conduziam os animais pela rua principal, sob os aplausos da população agradecida. Depois disso, até capitais como Salvador e Maceió, foram cenários de pitorescas corridas de jumentos.

Para o escritor Tadeu Rocha, o monumento erguido a entrada de Santana do Ipanema , constitui verdadeiro marco na evolução dos sertões, pois indica o fim da busca da água nas cacimbas cavadas nos leitos esturricados dos rios temporários da região sertaneja.

A partir da data acima, a profissão de “botador d’água” com o jumento e as quatro ancoretas, começa a desaparecer na cidade até a sua completa extinção. É o fim de mais um ciclo da história municipal na terra da Senhora Santana.

Redação com Alagoas na net.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *