Obras de revitalização da estação ferroviária de Palmeira estão paralisadas

Por em 16 de Fevereiro de 2018

Com a paralisação, o projeto Caminhos de Graciliano entre Palmeira dos Índios e Quebrangulo pode ficar apenas no sonho.

As obras de revitalização da estação ferroviária de Palmeira dos Índios, iniciadas na gestão do prefeito Júlio Cezar (PSB) com recursos do Ministério do Turismo estão paralisadas há vários meses. Com a paralisação, o projeto O chão de Graciliano onde o celebre escritor de renome internacional e o maior prefeito de Alagoas poderá ficar apenas no sonho e no esquecimento.

O objetivo seria atrair turistas do mundo inteiro de uma maneira inovadora, a partir do trem “Caminhos de Graciliano”. Com ele, seria possível fazer um percurso entre os municípios de Palmeira dos Índios e Quebrangulo, apreciar as belas paisagens que envolvem o trajeto, além de conhecer as duas cidades que abrigam a história do escritor, os museus e casarios, por meio do turismo cultural. No percurso, está um dos povoados mais antigos de Palmeira dos Índios, Anun Velho e até uma aldeia indígena.

Em Quebrangulo, onde nasceu o escritor, a Estação Ferroviária está pronta para receber os visitantes e em Palmeira a obra ainda não foi concluída. O que foi realizado até o momento está sendo depreciado pela ação do tempo e o abandono.

Para o diretor-presidente da CBTU, José Marques, que realizou uma visita há alguns meses ao local, a implantação do trem que poderia circular entre os dois municípios é totalmente viável. “Agora, fica sob a responsabilidade dos prefeitos a captação de recursos para recuperar a malha viária.

No entanto existe um impasse, as linhas da Companhia Ferroviária Nacional (CFN) de acordo com o Ministério dos Transportes estão judicializadas. O problema é em nível nacional inviabilizando projetos de transporte turísticos e de passageiros na ferrovia Transnordestina.

Em Maceió, centro econômico do Estado e Arapiraca, mesmo conectada por meio de ferrovias, a cidade polo da região Agreste, não existe circulação de trem entre os dois pontos, levando cargas ou então passageiros. Também não há movimentação de locomotivas até União dos Palmares e de lá até o estado de Pernambuco.

Em Arapiraca a antiga estação ferroviária está abandonada, cercada de lixo por todos os lados e no pátio ferroviário um dos imóveis foi alvo de incêndio que teria sido provocado por vândalos.

O sistema em Maceió, só não caiu na inutilidade porque a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) transporta passageiros em um percurso de 33 quilômetros entre o centro de Maceió e a cidade de Rio Largo. O mesmo serviço deveria ter sido ofertado à população de Arapiraca, mas o projeto na gestão do então prefeito Luciano Barbosa (MDB) não prosperou.

VLT Arapiraca se transformou em “Trem fantasma” para Luciano e Célia

O VLT, prometido por Luciano Barbosa que segundo a ex-prefeita Célia Rocha, (PTC) em entrevista, seria “a realização do sonho do transporte coletivo do povo arapiraquense”, pode está ressurgindo como um incômodo atual para ambos.

Tanto para a ex-prefeita que é pré-candidata a deputada estadual, quanto para o seu ex-aliado, o ex-prefeito e atual vice-governador Luciano Barbosa, ambos prometeram incessantemente no passado a concretização do projeto.  Atualmente ele surge em ano eleitoral como um fantasma batendo a porta de todos os defensores das gestões anteriores e claro, de Luciano Barbosa e Célia Rocha.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *