PF encontra nome de morador de lixão de Arapiraca na folha de pagamento da ALE

Por em 28 de Novembro de 2017

A Polícia Federal encontrou até o nome de um morador de um antigo lixão de Arapiraca incluso indevidamente na folha de pagamento da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). A descoberta foi feita durante as investigações da Operação Sururugate, que investiga um desvio milionário dentro do órgão, e foi divulgada no final do dia de ontem, segunda-feira (27).

A operação investiga os deputados estaduais  Edval Gaia (PSDB), Severino Pessoa (PSC), Thaise Guedes (PMDB). e o ex-deputado Dudu Albuquerque (PRTB). A primeira deputada estadual indiciada por suspeita de participação no esquema criminoso foi Thaise Guedes (PMDB). Ela vai responder 25 vezes pelo crime de peculato, que corresponde aos salários recebidos indevidamente pelos servidores.

O ex-deputado estadual Dudu Albuquerque (PRTB) prestou depoimento para a PF na última sexta-feira (24). O delegado Daniel Silvestre o interrogou e disse que ele vai ser investigado.

Já os deputados Edval Gaia (PSDB) e Severino Pessoa (PSC), citados na Operação, não atenderam a intimação pela segunda vez e não foram prestar depoimento na sede da Polícia Federal (PF) no bairro de Jaraguá, em Maceió.

O superintendente da Polícia Federal (PF) em Alagoas, o delegado Bernardo Gonçalves, disse que sem os depoimentos, sobe para quatro o número de suspeitos indiciados de envolvimento nos desvios de recursos. Os parlamentares foram intimados primeiramente no dia 30 de outubro.

“O interrogatório é uma oportunidade que o investigado tem de se defender. Como não compareceram para apresentar suas versões dos fatos, eles foram indiciados pela participação nos crimes de peculato, desvio de recursos públicos de forma continuada”, expôs o delegado.

Gonçalves disse ainda que um dos deputados que não prestaram depoimento foi indiciado também por associação criminosa. “Foi detectada a formação de uma quadrilha com o propósito de desviar recursos através de fraudes na folha de pagamento. Há casos de causar surpresa e indignação, como o de um morador do lixão de Arapiraca que teve o nome indevidamente incluído na folha de pagamento da ALE”.
Redação com G1.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *