Professores da rede municipal de Arapiraca em greve são recebidos pelos vereadores

Por em 4 de Julho de 2017

Movimento de reivindicação da categoria cresce e recebe apoio e adesões de outros segmentos

 

Os vereadores que integram a Câmara Municipal de Arapiraca receberam na manhã desta terça-feira (04) em plenário, os professores da rede municipal que estão em greve há mais de dois meses. A reunião com a categoria ocorreu após encontro do legislativo com a consultoria jurídica para discutir a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

A categoria reivindica o reajuste salarial de 7,64% que não foi concedido até o momento, pelo prefeito Rogério Teófilo (PSDB). Os professores teriam recebido uma proposta de aumento de apenas ,2,33%. A reunião com os vereadores foi coordenada pelo núcleo do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal).

O presidente da entidade em Arapiraca, André Luiz, falou para mais de 200 professores, que superlotaram as galerias da Câmara Municipal, lamentando a posição do prefeito Rogério Teófilo, que cortou parte do salário professores, apesar da categoria estar amparada por lei.

A reunião foi a convite da Mesa Diretora da Casa Herbene Melo, que ouviu as reivindicações dos sindicalistas. Estiverem presentes os vereadores Moisés Machado, Professora Graça, Rogério Nezinho, Willomaks da Saúde, Melquisedeque de Oliveira, Léo Saturnino, Gilvania Barros, Fabiano Leão, Pastor Marcos Caetano, Thiago ML, Fábio Henrique e Sérgio do Sindicato.

Em reunião, os vereadores decidiram que só entrarão em recesso após o retorno das aulas da rede municipal, com o fim da greve. Na ocasião, o vereador Fábio Henrique protestou contra o posicionamento do subsecretário de administração que afirmou que os professores não tinham direito de reivindicar reajuste salarial, principalmente por sua capacidade profissional. Ainda segundo o vereador, o subsecretário utilizou palavras de baixo calão se referindo ao Índice de Desenvolvimento da Educação (IDEB).

Em seu pronunciamento, o vereador Willomaks da Saúde disse que os 2,33%, oferecidos pela administração municipal, não atende às necessidades da categoria e até chegou a dizer, que era favorável ao desconto dos dias parados, porém, deixando claro, que isso seria para provocar a continuação do movimento, porque não concordava com o percentual oferecido pelo prefeito Rogério Teófilo.

O vereador Rogério Nezinho também se manifestou, afirmando que a situação da Educação em Arapiraca está muito triste, visto que cerca de 35 mil alunos estão fora das salas de aula. “prefeito Rogério Teófilo tem falado muito em dialogo e transparência, porém não mostra transparência, ao negar a categoria o boletim informativo”. Rogério Nezinho salientou que é preciso formar uma comissão de vereadores e ir até as escolas da rede para ver se há realmente a merenda escolar. Ele concluiu afirmando, que os 17 vereadores estão apoiando a categoria.

O vereador Sérgio do Sindicato informou aos professores que vai entrar com um requerimento, solicitando que o prefeito Rogério Teófilo envie à Câmara Municipal a folha de pagamento com a relação dos contratados. O vereador disse que chegou ao seu conhecimento que a atual administração está promovendo “um verdadeiro festival de contratações, onde inclusive, havia contratado alguém para prestar assessoria, com salários de 30 mil reais para trabalhar dois dias na semana. Devido a estas contratações, com salários altos, fica impossível de conceder reajuste a uma categoria como os professores”, denunciou o vereador.

Representando os professores, o educador Arnaldo Rocha criticou a atual gestão. “Célia Rocha era o coração da educação, Luciano Barbosa os olhos e o Rogério Teófilo é o fígado da educação. O Rogério está acabando com a educação. Se ele acha que iria fragilizar a greve, pensou errado porque agora o movimento ficou mais forte fortalecido”, pontuou.

Sindisar emite nota de apoio ao movimento dos professores

 

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais da Saúde, Administração e Serviços de Arapiraca (O SINDSAR) enviou à imprensa, na noite desta terça-feira (04), uma nota prestando solidariedade aos servidores da Educação Municipal, devido ao corte salarial dos profissionais da educação municipal.

O SINDSAR ressalta que “o professor é o profissional que ajuda a formar o senso crítico dos alunos e contribui para o desenvolvimento socioeconômico da nossa região. São profissionais imprescindíveis para a nossa sociedade e, por esse motivo, deveriam ser tratados de maneira exemplar e com profundo respeito por parte dos gestores”.

A presidência do Sindicato lamenta que a atual administração municipal está tratando com descaso e desrespeito à categoria educacional, visto que o prefeito Rogério Teófilo (que também é educador) se nega a conceder uma reposição salarial. “Que é o mínimo que essa gestão poderia fazer para equiparar o piso nacional. Quando o prefeito e sua equipe efetua o desconto da folha desses servidores ele comete o pior desatino possível que um gestor poderia fazer, pois até a justiça considerou o movimento paredista legal. Isso é uma afronta e uma total desvalorização dos profissionais da educação que tanto contribuem para a nossa sociedade”, afirma a nota do Sindsar.

Ainda em nota, o sindicato afirmou que a atual gestão intimida e está fazendo terrorismo psicológico com os professores, o que, para a categoria, desqualifica e “deixa sem razão a gestão de Rogério Teófilo e que certamente aguçará mais ainda o sentimento de repúdio dos profissionais da educação e por conseguinte, os profissionais de todas as outras secretarias municipais a essa gestão omissa e descompromissada com a sociedade arapiraquense, que temos aturado nesses 6 sofridos meses”.

“Mais uma vez reiteramos o total repúdio às ações desastrosas, covardes e de má-fé do atual governo e nos solidarizamos aos profissionais da educação do município de Arapiraca, ao Sinteal núcleo Arapiraca e ao Comando de Greve”, finaliza a nota. 

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *