Maioria dos secretários de Teófilo não apoiarão Severino Pessoa em 2018

Por em 1 de Julho de 2017

A disputa pelas vagas na Assembleia Legislativa Estadual (ALE) e Câmara dos Deputados poderá implodir o grupo político situacionista em Arapiraca comandado pelo prefeito Rogério Teófilo (PSDB). Os interesses pessoais são fortes entre o deputado estadual Severino Pessoa (PSC) e pelo ex-deputado estadual Dudu Albuquerque que tem pretensões de indicar  filho pra disputar um mandato de deputado estadual, confrontando com Pessoa que já anunciou a pré-candidatura da esposa a vice-prefeita Fabiana Pessoa para a ALE.

No mesmo grupo está o deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB)  e a vereadora licenciada e secretária municipal de saúde, Aurélia Fernandes (PSB) que pode disputar uma vaga de deputada estaadual. Mas nem tudo são flores no turbulento Centro Administrativo Antonio Rocha, a grande maioria dos secretários de primeiro escalão estão engolindo o deputado Severino Pessoa “atravessado” e não se mostram motivados a contribuir com o seu ambicionado projeto político e de poder.Vamos agurdar as cenas dos próximos capítulos

Paulão faz criticas a gestão de Teófilo

Após perder espaço na administração arapiraquense, o deputado federal Paulo Fernando Santos, o Paulão (PT), usou  a tribuna da Câmara Federal para criticar a gestão do prefeito de Arapiraca o educador, Rogério Teófilo (PSDB), que nas eleições passadas venceu o candidato apoiado pelo grupo de Célia Rocha, aliada do parlamentar petista.

Em seu discurso inflamado o petista alegou que a greve dos servidores da Educação em Arapiraca está sendo motivada pela falta de diálogo entre o prefeito e os servidores da rede municipal de ensino,.Paulão, que nas eleições de 2014 conquistou pouco mais de 5 mil votos em Arapiraca, apesar do apoio do grupo aliado, afirmou em seu discurso que a população arapiraquense vem sofrendo as conseqüências da inércia e do descaso do prefeito e secretários com as demandas.

Fake do fake 1

Dirigentes do Sinteal e do comando de greve de Arapiraca vão a Polícia Federal para denuncia ataques que consideram violentos e covardes que estão sendo perpetrados contra a entidade e professores ligados ao movimento por parte de um Fake criado no Facebook com o nome de Liendja Calina Oliveira. A entidade já sabe que um Fake com esse nome teria sido “desativado” depois que descobriram que por trás do nome falso estava uma pessoa ligada à justiça arapiraquense e que usava o perfil para detonar a gestão da ex-prefeita Célia Rocha. “Eles criaram, agora, o Fake do Fake com a participação com a participação de uma professora, um advogado e pessoas ligadas a atual gestão municipal. Serão desmascarados e responderão pelo crime”, disse um dos diretores do Sinteal.

Restaurante popular

O restaurante popular “Jerimum” continua fechado desde o inicio da gestão do prefeito Rogério Teófilo (PSDB). O não funcionamento do restaurante provoca revolta na maioria dos comerciários de Arapiraca. Implantado no centro comercial da cidade na gestão do então prefeito e atual vice-governador Luciano Barbosa (PMDB), o restaurante servia mil refeições diárias a preço simbólico de R$ 3,00 para comerciários, mototaxistas, vendedores informais e pessoas da região Agreste que se deslocavam para Arapiraca. O fechamento deixa milhares de pessoas de baixa renda sem a prestação do serviço.

Seis meses parado

No inicio do ano, a coordenação de comunicação da Prefeitura de Arapiraca informou que o fechamento do restaurante seria para a realização de serviços de manutenção e que seria reaberto em março deste ano, o que não aconteceu. Outra informação é que o fechamento tinha como objetivo de realizar reparos para melhor comodidade do cidadão arapiraquense que frequenta o local diariamente e reabriria no prazo de um mês. Mas, de acordo com funcionários do comércio, quase seis meses depois, nenhuma movimentação de reforma ou reparos foi percebida no interior do restaurante.

ARAPIRACA

O serviço de atendimento do Centro de Assistência e Desenvolvimento da Política da Mulher em Arapiraca foi denunciado por não estar realizando atendimento psicológico às vítimas de violência. Parentes de uma vítima que procuraram ajuda no órgão disseram que o serviço não funciona. Arapiraca lidera os índices de casos de violência contra a mulher, são cerca de quatro casos de estupro por semana no município. Procuramos a responsável pelo órgão, que não atendeu às nossas ligações.

Reajuste em Penedo

O prefeito de Penedo, no Baixo São Francisco, Marcius Beltrão (PDT), em entrevista a uma emissora local, reajuste salarial dos professores da rede municipal do municipio. Além do reajuste, também garantiu o enquadramento no piso nacional do magistério para os professores que estão abaixo, com retroativo de janeiro.  O aumento será pago já a partir de julho, com 3%. “Estamos administrando Penedo com austeridade diante da crise. Dessa forma, os frutos estão surgindo. Além de pagarmos os salários atrasados da gestão passada, vamos reajustar os salários dos professores em 7,64%. A primeira parcela de 3% em julho e o restante até setembro”. Explicou o gestor.

ARAPIRACA

Em Arapiraca, o prefeito Rogério Teófilo (PSDB) continua sem conceder o reajuste pedido pelos professores (7,65%), prolongando uma das greves mais longas da história da educação no município, que já dois meses. A situação do ano letivo em Arapiraca se agrava devido ao método escolhido para o Processo Seletivo Simplificado (PSS). Na semana que passou tanto o comando de greve quanto o executivo emitiram notas a imprensa. A situação é da maior gravidade em razão da falta de habilidade do prefeito Rogério Teófilo que coloca a Lei de Responsabilidade Fiscal como principal imnpedimento para não conceder o reajuste.

Legislativo de Palmeira terá que pagar aluguel do prédio

O prédio onde está instalada a Câmara Municipal de Palmeira dos Índios, na Praça da Independência no centro da cidade está no meio de uma disputa com a participação direta do Serviço de Engenharia do Estado de Alagoas (Serveal), empresa da administração indireta do Governo estadual.

O Legislativo Municipal funciona no prédio do antigo Produban há cerca de 20 anos e pertence ao Governo do Estado. Os vereadores foram pegos de surpresa  com a chegada de um contrato enviado pelo Serveal pedindo aluguel de R$ 5 mil mensais durante três anos, além de uma caução de R$ 16 mil. Caso o contrato não seja firmado “medidas judiciais serão tomadas”, explica o documento.

Em recente visita ao município, o governador Renan Filho anunciou publicamente que o Estado doaria o imóvel ao Poder Legislativo palmeirense. Porém, com a chegada do contrato, os vereadores foram pegos de surpresa, pois o contrato deveria ser assinado de imediato e, caso não seja, efetuado, o diretor presidente do órgão, Judson Cabral, “será obrigado a recorrer a outro meio para a tal regularização, inclusive, se for o caso, judicial”, frisou o documento.

 

 

 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *