“Greve foi provocada por uma gestão que não demonstra competência e habilidade para gerir os recursos” diz pedagogo

Por em 4 de Julho de 2017

Professores voltaram a realizar protestos nas ruas de Arapiraca neste terça-feira (04)

A guerra dos profissionais da Educação contra a Prefeitura de Arapiraca continua. Sem uma resposta sobre a exigência dos 7,64% de reajuste salarial, a categoria foi às principais ruas da Capital do Agreste, na manhã desta terça-feira (04), para cobrar os direitos que são garantidos por lei. A caminhada reuniu centenas de trabalhadores que, ao final, ocuparam a Câmara de Vereadores da cidade para receber apoio dos vereadores.

Cerca de 35 mil alunos da rede municipal estão prejudicados com a crise da Educação de Arapiraca. Em virtude da negativa de reajuste pela Prefeitura e também por realizar descontos nos salários dos profissionais, a categoria dos professores já declarou que vai ingressar com ação na Justiça contra o prefeito.

Para o pedagogo Cléber Gomes, Arapiraca atravessa por um momento histórico. “A greve foi provocada por uma gestão que não foi capaz de demonstrar competência e habilidade para gerir os recursos. Lembrando que o calendário escolar começou atrasado. Era para ter começado em fevereiro, não começamos. Depois, ficou de iniciar em março, também não começamos. O gestor nem sequer deu satisfação à sociedade arapiraquense, em relação a isso”, comentou.

De acordo com Cléber, a porcentagem solicitada é de reajuste e não de aumento salarial. “Além do reajuste, também tem a questão da estrutura da rede pública de ensino de Arapiraca, que se encontra em estado precário. As escolas precisam de reforma, a situação da merenda também não é boa, também há problemas nos transportes, com superlotação. Mas não é somente a superlotação, é preciso que haja manutenção nos transportes, para que haja segurança aos professores”, disse Cléber.

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Arapiraca informou que vai encaminhar uma nota sobre a situação.

Redação com Já é noticia.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *