Sem alimentação e viaturas avariadas Samu paralisa atividades em Arapiraca

Por em 19 de Maio de 2016
Com débito superior a R$ 100 mil churrascaria encerrou atividades e suspendeu o fornecimento de alimentação
Implantado em 1998 com a missão de salvar vidas o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) está enfrentando sérias e graves dificuldades para continuar mantendo sua nobre missão na cidade mais importante do interior do Estado. O município possui uma população superior a 231.053 segundo dados do IBGE em 2015.
Em entrevista nesta quarta-feira na Pujuçara FM o deputado estadual Tarcizo Freire (PP) anunciou que protocolou junto a secretária de Estado da Saúde uma auditória no órgão. Segundo o parlamentar, está ocorrendo perseguições a servidores, servidores capacitados com experiência de seis e sete anos estão sendo substituídos.
 Desde a última terça-feira (17), um ato de paralisação para chamar a atenção da população e das autoridades  reivindicar melhores condições de trabalho vem ocorrendo  De acordo com o sindicato da categoria (SindPrev), os servidores estão mantendo 30% do serviço para não prejudicar a população. A mobilização ocorre em frente à Central Regional ao lado da Governadoria do Agreste em frente ao Terminal Rodoviário de Arapiraca.
A representante do sindicato e técnica de enfermagem, Cícera Costa, informou que independente do movimento de paralisação, o atendimento do SAMU Arapiraca já é precário há vários meses. “Sabemos que é um serviço essencial e que num momento de greve, por exemplo, deve ser mantido os 30% como determina a Lei, mas aqui é como se já estivéssemos trabalhando com esta redução”, disse a sindicalista denunciando que faltam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e material básico.
Sem alimentação
Outra reclamação dos trabalhadores está relacionada falta de alimentação, já que o fornecedor está há vários meses sem receber o pagamento por parte do Estado, e cancelou a entrega da alimentação esta semana. “É uma novela antiga e buscamos que essa situação seja resolvida imediatamente. É uma falta de respeito com os trabalhadores, mas queremos deixar a população tranquila de que os atendimentos serão feitos dentro das nossas condições”, explicou  a sindicalista.
A secretaria de Estado da Saúde (Sesau) confirmou a paralisação e encaminhou os pedidos para uma “mesa de negociação”. Por sua vez, a categoria reclama a falta de estrutura de trabalho na Central de Arapiraca e nas Unidades Móveis de Suporte Básico (USB) e Unidade de Suporte Avançado (USA)
A assessoria da Sesau emitiu uma nota, nesta quinta-feira, na página do SAMU-192 sobre o regulamento técnico dos Sistemas Estaduais de Atenção Integral às Urgências e Emergências, mas não emitiu nenhum comunicado sobre a paralisação dos trabalhadores.
Nota na íntegra:

Criado em 1998, inicialmente como Central de Regulação de Leitos (CRL), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) recebeu a nova nomenclatura em 14 de dezembro de 2003, através da Resolução 68 do Ministério da Saúde. O Samu alagoano é um dos únicos do País que está estrategicamente instalado em todo o território alagoano, com uma Base Descentralizada a cada 30 km, visando oferecer a população um atendimento pré-hospitalar eficiente.

Atualmente o Samu dispõe, somente em Maceió, de sete ambulâncias do tipo Unidade de Suporte Básico (USB) e quatro Unidades de Suporte Avançado (USA UTI móvel), uma delas para o Serviço Neonatal (o serviço é pioneiro no País); além de uma Viatura de Transporte Rápido (VTR), que serve como suporte para os casos mais graves, como apoio alternativo, além do Aeromédico (UTI Aérea), único do Norte/Nordeste que é mantido com recursos próprios do governo do Estado.
O regulamento técnico dos Sistemas Estaduais de Atenção Integral às Urgências e Emergências foi criado pela Portaria 2048/2002 do Ministério da Saúde e os objetivos são: regular as urgências e emergências; o atendimento pré-hospitalar fixo e móvel; o atendimento hospitalar; as transferências inter-hospitalares, entre outros serviços pertinentes.
Pela Portaria também existe o Núcleo de Educação em Urgência (NEU) e o Núcleo de Educação Permanente, (NEP) que são os responsáveis pelo treinamento e atualização de todo o pessoal que atua no Samu. Em Alagoas o Samu funciona com duas Centrais Regionais: uma em Maceió e outra em Arapiraca.
As Bases Descentralizadas do Samu, reguladas por Maceió são: União dos Palmares, Viçosa, São Miguel dos Campos, Porto Calvo, Coruripe, Joaquim Gomes, São Luiz do Quitunde, Maragogi, Teotônio Vilela, Rio Largo, Murici, Marechal Deodoro, Barra de Santo Antônio, Colônia de Leopoldina e São Miguel dos Milagres.

Já as Bases pertencentes à Central de Arapiraca são: Penedo, Ouro Branco, Delmiro Gouveia, Pão de Açúcar, Santana do Ipanema, Palmeira dos Índios, Cacimbinhas, Maribondo, Porto Real do Colégio, Campo Alegre, Mata Grande, Girau do Ponciano, São Sebastião, São José da Tapera, Inhapi, Piranhas, Olho D´Água do Casado, Batalha e Traipu.

Um comentário

  1. NOTICIAS DO whtsApp

    19 de Maio de 2016 at 17:44

    FOTO JOSIVAL MENESES 7 SEGUNDOS

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *