Problemas do Samu Arapiraca são regularizados

Por em 26 de Maio de 2016
Manutenção das viaturas foram iniciadas, incluindo pagamento de servidores e fornecedor de alimentação
A base do Samu Arapiraca que presta um importante e relevante serviço para a população da cidade mais importante do interior do Estado foi alvo  nos últimos dias dos noticiários, em razão dos problemas enfrentados com o fornecimento de alimentação e a conservação das unidades móveis. Os problemas motivaram uma manifestação em frente ao prédio onde funciona o serviço, no bairro jardim Tropical.
De acordo com o diretor administrativo, Fabiano Almeida Silva, as questões já estão sendo resolvidas. “Aqui em Arapiraca, a central de regulação é responsável por toda a região do agreste, sertão e baixo São Francisco. Realmente a gente estava com algumas dificuldades com relação a alimentação, muito relacionado ao problema orçamentário, mas, isso já foi equacionado,” explicou.
De acordo com Fabiano Almeida, “o atraso no pagamento ao fornecedor de alimentação ocorreu por causa de algumas Notas Fiscais, que ainda não tinham sido aprovadas para liberação de recursos, por causa do atraso na lei Orçamentária e do tramite normal, burocrático, dentro da Secretária Estadual de Saúde”. Ainda sobre o assunto, citou que foram pagos os meses de janeiro, fevereiro e março. O mês de abril já teve a nota fiscal entregue e encaminhada ao setor competente. Quanto aos dois meses referentes ao ano de 2014, que o governo anterior ficou devendo, o débito está sendo negociado com o Governo do Estado.
Viaturas
Segundo o diretor administrativo, Fabiano Almeida, a renovação da frota de veículos usados para o atendimento à população, depende do Governo Federal. Porém, o Ministério não está mais renovando. “Então, o que acontece: nós temos uma frota que é antiga, há muito desgaste por causa do uso diário, sendo necessário um trabalho de manutenção preventiva e corretiva.”
“Foram celebrados contratos com duas oficinas, uma em Maceió e outra em Arapiraca, e a situação já está sendo regularizada”, explicou.
Mas destacou que esses reparos não podem ser feitos “num passe de mágica”. O trabalho é feito por etapas, sendo encaminhadas cinco viaturas por vez. “Estamos com uma situação complexa, porque nossa reserva técnica (viaturas que ficam no pátio para substituir) estão em concerto. Algumas bases do interior também estão em concerto. Mas estamos mantendo o atendimento. Pela primeira vez em Alagoas estamos tendo um contrato de manutenção atingindo toda frota”, ressaltou Fabiano Almeida.
Há uma expectativa que entre o fim deste ano de 2016 e começo de 2017 haja uma renovação da frota, com recursos do Fundo de Erradicação e Combate à pobreza.

Números
A base do SAMU dispõe hoje de 16 viaturas, além duas motolâncias. “Não é a cobertura ideal. O ideal seriam 26. Mesmo com esse número que está abaixo, consegue dar conta do recado e suprir as demandas da região. Acredita-se que nos próximos dias esse número vai aumentar, em razão da chegada das viaturas que estão na oficina, por conta da manutenção”.
 
Dispensas
Sobre dispensas de funcionários, Fabiano Almeida informou que aqueles dispensados não apresentavam perfil para o serviço no Samu. Destacou também que ninguém foi contratado sem qualificação, conforme chegou a ser comentado. “Isso é, no mínimo, enganoso. Todo trabalhador do SAMU precisa ser treinado, tanto em sala de aula, quanto em serviço”, concluiu.
Afirmou também que, mesmo com a saída de alguns servidores, nenhuma área ficou descoberta e garantiu não ter havido prejuízo a população.
 
COMPAR

 Com blog do Claudio Barbosa.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *